PortuguêsEnglish繁體中文EspañolFrançaisItalianoفارسیDeutsch

4 razões pela qual a Austrália está planejando em excesso o ciclismo

cycling copenhagen

Este post também está disponível em: Inglês, Espanhol, Alemão

Em seu post no blog “Andando de bicicleta em uma igreja” @GregVann escreveu: “Os dinamarqueses não se consideram ciclistas – da mesma forma que usam aspiradores de pó, mas não se consideram ‘aspiradores’. Isso me fez pensar. Estamos pensando excessivamente o ciclismo em cidades australianas?

Eu acho que estamos. Há quatro tendências permitindo isso:

1. Escolhas

Nós temos tantas opções disponíveis para nós hoje. Nós podemos escolher onde viver, onde trabalhar, para onde enviar os nossos filhos para a escola, e mesmo onde passar o Natal.
Quando eu estava crescendo, havia uma escola estadual e todo mundo foi para ela. Quase todos os pais trabalhavam na fábrica de aglomerado e as mães arrumavam qualquer trabalho que estava disponível perto de casa. Para o Natal, ninguém sonhava com umas férias de praia. Você ia para a casa da avó. Simples assim.

Agora pensamos em tudo enquanto a mídia popular dia para valorizarmos a riqueza e o sucesso.

É a mesma coisa com o ciclismo. Cidades australianas querem ser como Copenhagen e Amsterdã. Queremos líderes como Boris Johnson e Janette Sadik-Khan. Queremos nosso programa de bike-sharing tão bem sucedido como os de Paris e Dublin. Nós desesperadamente procuramos o conselho de cidades “bem sucedidas” na Europa, mas depois ficamos confusos com todas as idéias conflitantes e acabamos ignorando nossa “alfabetização cultural”.
A escolha nos fez pensar demais tudo e, como resultado, acabamos fazendo muito pouco.

2. Direitos

Temos desenvolvido um extraordinário sentido de direito. A maioria dos australianos se sentem no direito de ter muito dinheiro, para dirigir para o trabalho, e ter suas opiniões ouvidas. Quando essas expectativas não são cumpridas, já que muitas vezes não são, nós nos recusamos a aceitá-lo e começar a cismar por que não estamos recebendo o que merecemos.

No mundo do ciclismo é a mesma:
– Os motoristas pensam os ciclistas devem pagar inscrição;
– Ciclistas Desportivos pensam que os mais lentos deveriam sair do caminho quando eles avisam que estão atrás;
– Ciclistas acham que pedestres devem andar em fila única em trajetos compartilhados.

É certo que estes são leves exageros, mas você entende o ponto! A obsessão do direito tem levado a muita superpensamento. Muito tempo é focado em discutir, ficar com raiva e tentar obter o que achamos que merecemos enquanto muito pouco tempo é gasto em lidar eficazmente com os problemas reais em nossas cidades.

3. Correções instantâneas

Nós desenvolvemos uma necessidade compulsiva de “correções instantâneas ‘. Às vezes, as ‘soluções rápidas’ são as escolhas certas, mas se elas são feitas a partir de insatisfação, tendem a se acumular em uma seqüência de fracassos. Meu amigo John gosta de dizer ao Conselho exatamente o que ele pensa, mas suas ações bem-intencionadas faz que as pessoas que estão tentando fazer a mudança em vez disso se desviem para resolver suas insatisfações intermináveis.
É como se a reflexão exagerada sobre questões atuais as tornassem maiores do que são.

Se realmente queremos nossas cidades a serem cilcistas, nós temos que fazer o trabalho lento e difícil de identificar os problemas reais e, em seguida, projetar soluções de longo prazo para solucioná-los

4. Contemplação

Nós desenvolvemos uma cultura ‘umbiguismo’, analisando cronicamente cada mudança a volta na nossa vida. Nós hiper-analisamos tudo: as duas pessoas a mais que pedalaram na semana passada e os modais previstos para 2050. No ciclismo raramente consideram as explicações mais simples:
– Talvez as pessoas não pedalam, porque eles preferem o ônibus;
– Possivelmente é apenas o fato de que a maioria dos australianos nunca foram a Copenhague e por isso não tem ideia do porquê do alarde sobre bicicletas.

Se realmente queremos que o ciclismo seja mainstream e normal, temos de deixar de ser hiper-vigilantes e começar a descobrir o que as pessoas realmente querem para suas cidades para serem assim. Talvez então Aussies poderiam utilizar suas bicicletas como eles usam seus aspiradores de pó, pelo menos uma vez por semana!

O que você acha? Estamos pensando demais o ciclismo? Devemos apenas parar de pensar, parar de olhar para a mudança, e aceitar o que nós temos?
Eu reconheço o trabalho incrível da Dra. Susan Nolen-Hoeksema, cujo trabalho pensando em universidades de todo os EUA tem inspirado o conteúdo deste blog. Obrigado, Susan.

Rachel Smith é um planejadora de transporte principal com AECOM em Brisbane. Ela é fundadora de  Cycling Super Highways , criadora do We Heart Cycling, co-fundador da Lazy Sunday Cycle  e parte do BMW Guggenheim Lab.

Imagem via Kieran Lyman