PortuguêsEnglish繁體中文EspañolFrançaisItalianoفارسیDeutsch

A resiliência e a cidade: uma resenha de “A Natureza do Design Urbano”

water

Este post também está disponível em: Inglês, Alemão

Para o mundo da política urbana, os deslizamentos causados supertempestade Sandy no nordeste dos Estados Unidos foi, em muitos sentidos da palavra, um divisor de águas. Sandy trouxe a força da natureza para áreas urbanas utilizadas apenas para se misturar com a natureza em sandálias ao longo da praia ou tênis de corrida no Central Park. A tempestade reorganizou longas décadas prioridades e forçou decisores políticos e urbanistas a refletir sobre o que significa a vida da cidade em uma época de mudanças climáticas.

Com seu próprio bairro de Red Hook inundado pela enchente, Alexandros Washburn estava entre aqueles afetados pessoalmente pelo poder de Sandy. Mas, como Chefe de Design Urbano de Nova York, ele foi duplamente afetado como profissional de planejamento. A terra impulsionada pelo vento e pela água, a resiliência foi encontrada entre os escombros e elevou para o topo o léxico de planejamento. A “Natureza do Design Urbano” (The Nature of Urban Design) é a tentativa de Washburn de percorrer padrões “insanamente complexos” da política, finanças, e design em busca de um design urbano que faça com das cidades ao mesmo tempo mais seguras e mais habitáveis. Entregue com urgência e suavizado por otimismo, o livro leva os leitores através das ruas e planos de Nova Iorque – tudo, desde a altura e controle de volumes datadas de 1916 até o desafio moderno de licalizar as escolas do Harlem.

Para Washburn, design urbano e resiliência não são meros exercícios intelectuais. Na verdade, eles são conceitos pessoais com potencial para elevar o ambiente construído e combinar a força existente de pessoas e comunidades comuns. Eles são um caminho a seguir. Ele argumenta que as cidades tornaram-nos mais ricas. Elas fizeram-nas mais produtivos. Elas fizeram mais eficiente. E nos últimos anos, elas começaram a fazer grandes progressos em termos de habitabilidade. Mas elas tem feito o seu melhor para se tornar mais seguras?

A resposta de Washburn a esta pergunta é um agradável e prática. Assumir o poder do desenho urbano e seu papel na elaboração de ferramentas de desenvolvimento que guia e forma. Entre os exemplos mais fortes do livro estão os mais simples. O autor descreve uma abordagem ‘inspirada” à elevação das grades do metrô pós chuvas intensas causaram inundações do metrô em 2008. As grades levantadas tornaram-se uma oportunidade de funcionar como banquinhos e bicicletários. Essa é a habilidade do desenho urbano inspirado para oferecer adaptações pequenas, mas inovadoras que melhorem o ambiente urbano, enquanto mitigam condições perigosas.

“A Natureza do Design Urbano” é bem amplo quando ele precisa ser específico e quando você quiser que ele seja. O livro é uma espécie rara que é inspirador e útil, e, francamente, é muito bonito. Um capítulo sobre os instrumentos políticos, financeiros e política utilizadas para pavimentar o caminho para a célebre High Line de Nova York desafia as probabilidades, transformando o que nas mãos de alguns podem ascender a pouco mais do que um estudo de caso analiticamente duro em uma exploração envolvente do design de alta classe e sua implementação.

O elenco de apoio inclui “chefes” de Washburn, Jane, Bob e Fred – Jane Jacobs, Robert Moses, e Frederick Law Olmsted – e possui lindas fotos do urbanismo de Nova Iorque para fazer de qualquer planejamento uma viagem à cidade. Como a maré muda, projetar cidades resilientes torna-se simultaneamente mais complicado e mais necessário. Além disso, “A Natureza do Design Urbano” nota que o dano da inundação tem duas vertentes: primeiro a tempestade chega depois surge uma barreira reacionária e às vezes contraditória de regulamentações em sua esteira. O que é necessário não são reações incrementais, mas reconfigurações visionárias de estruturas existentes que estrategicamente passa pela política, finanças e design para aplicar o melhor do que nós sabemos sobre a habitabilidade e resiliência.

Com este livro, Alexandros Washburn toca o alarme. Ele não está, no entanto, nos mandando fugir. Em vez disso, ele quer a nossa atenção, a nossa esperança, e o mais importante, a nossa determinação. Ele pede que aproveitemos o poder do desenho urbano para construir cidades mais resilientes. Ele pede que de agora em diante o legado de Sandy não seja uma história de devastação, mas de transformação.

A Natureza do Desenho Urbano: a Perspectiva de Nova Iorque sobre Resiliência está disponível pela Island Press.

Lucas Lindsey é co-Editor do This Big City on Tumblr.