PortuguêsEnglish繁體中文EspañolFrançaisItalianoفارسیDeutsch

Berlim, Barcelona e a luta contra a gentrificação

VLUU L210  / Samsung L210

Este post também está disponível em: Inglês, Chinês, Espanhol, Francês, Italiano, Alemão

Gentrificação é um conceito que vem da palavra em iglês “gentry” (alta burguesia). É um processo que acontece em todas as cidades com rápido desenvolvimento econômico, tais como Paris, Londres, Barcelona e Berlim, a última das quais é conhecida como uma jovem, criativa e emergente metrópole. Mas a realidade é que os berlinenses estão lutando contra a gentrificação.

Quando o muro de Berlim caiu os subúrbios orientais da cidade estavam praticamente vazios. Muitos cidadãos da antiga República Democrática da Alemanha deixaram suas casas para ir trabalhar no Ocidente. Naquela época, os jovens, os imigrantes, punks e artistas se mudaram para os blocos vazios onde ninguém queria viver. Eles criaram uma sub-cultura que hoje em dia é o que atrai as pessoas. Ele também cria uma simbólica e  interessante marca, que é utilizada pelos governos locais como uma atração turística.

Então, agora, todo mundo quer viver na Berlim da moda , onde os aluguéis aumentam, agradáveis ​​cafés pequenos abrem, bem como restaurantes vegan e lojas caras. A área foi burguesificada e moradores antigos, aqueles que tinham criado a essência do bairro são obrigados a sair porque não têm condições de pagar o novo estilo de vida.

A Alemanha sofreu situações de conflito por causa de tentativas de centrífugas que são chamados de coletivos criativos. Na cidade de Hamburgo, por exemplo, grupos de artistas já fecharam edifícios em protesto contra os planos urbanos; e em Berlim, o movimento für alle Spreeufer  organiza regularmente manifestações contra a Mediaspree, um grupo de investimento que pretende comprar edifícios e terrenos perto do rio Spree.

Berlinenses estão tentando defender e manter a sua cidade com um espírito jovem, mantendo rendas bem abaixo das demais capitais europeias, como Londres ou Paris. 85% das pessoas que vivem na capital vivem de aluguel e compartilham o imóvel, enquanto os 15% restantes são proprietários. A associação de empresas do setor imobiliário em Berlim, Brandenburger, acredita que o aumento do aluguel é necessário para se adaptar e aproximar aos níveis de renda média na Alemanha.

Processos de gentrificação seguem  passos sempre semelhantes, mas eles nunca são idênticos.

Em cidades como Barcelona, ​​por exemplo, o processo não foi tão claro como em Berlim. Na metrópole catalã, a gentrificação foi percebida mais a partir dos Jogos Olímpicos em 1992, quando processos semelhantes foram acompanhados por grandes projetos urbanos que elevaram os preços nas áreas reformadas.

La Barceloneta, um bairro de pescadores, experimentou uma grande transformação com a urbanização de suas praias. Em um bairro onde só os pescadores viviam, as rendas logo começou a inchar, e a área se tornou popular entre os turistas. Parte disso foi por causa do Forum Universal das Culturas em 2004, um projeto de desenvolvimento urbano extravagante que só serviu para reformular todo o bairro e criar mais infra-estruturas turísticas, que incitaram os gastos e investimentos do exterior.

A melhoria das condições de vida de um bairro degradado não é normalmente destinada para seus habitantes. A alegria de viver em um lugar não é revalorizada para aqueles que vivem lá, mas para aqueles que têm de viver lá. Gentrificação é, em parte, consequência da concepção da cidade como um negócio. Um desenvolvimento do bairro tem que ser um processo mais social, democrático e sustentável feito para e por pessoas.

Um documentário interessante chamado Bye-bye Barcelona nos mostra as consequências destes desenvolvimentos urbanos e de que forma as autoridades de Barcelona estão colocando o turismo como estratégia central para o futuro da cidade.

Ele ilustra perfeitamente o que Jekaterina Balicka declarou:

A forte comunidade da cidade, que não só criou a Berlim contemporânea – um dos ambientes urbanos mais agradáveis ​​na Europa, também foi capaz de resistir às mudanças, que se seguiram, logicamente, a primeira onda de gentrificação. Posso afirmar que Berlim não gosta Planos diretores e soluções high-end. Os casos de MediaSpree e Tempelhof Parque ilustram como as iniciativas locais forçaram os representantes políticos a incluir os interesses dos habitantes e planos de desenvolvimento flexíveis para as estratégias de desenvolvimento de longo prazo. Isso é o que podemos aprender a partir de Berlim.

 

Tere García Alcaraz é arquiteta e trabalha ​​com a pesquisa de desenvolvimento urbano, com experiência de trabalho no Equador, Venezuela, Espanha e Reino Unido. Ela vive atualmente em Londres.

Imagens via Henning Onken e jmsera

Drácula, é uma história de vampiros e lobisomens