PortuguêsEnglish繁體中文EspañolFrançaisItalianoفارسیDeutsch

Como o Google Earth está ajudando a mapear a agricultura urbana em Roma

South Rome City Farm

Este post também está disponível em: Inglês, Espanhol, Francês, Italiano, Alemão

A agricultura urbana (AU) foi creditada por numerosos efeitos positivos nas cidades, como o acesso a alimentos frescos, agro-biodiversidade e por contribuir para a melhoria das relações sociais e culturais. Como muitas outras regiões, as atividades agrícolas urbanas estão se espalhando na cidade de Roma, mas poucas tentativas foram feitas para inventariar as áreas de AU (ex.: hortas comunitárias, jardins residenciais, jardins, hortas escolares informais, fazendas urbanas, etc.) Algumas tentativas de mapeamento têm sido realizadas, mas até à agora não há uma metodologia bem estabelecida para gerar um inventário completo.

Pesquisadores do Instituto Nacional de Economia Agrícola (INEA) recentemente desenvolveram uma metodologia para mapeamento das parcelas de terreno na cidade apoiada por fotointerpretação, aproveitando as características de serviços de mapeamento da web, como o Google Earth, Google Maps e Microsoft Bing Maps. O Google Earth tem sido usado como ferramenta básica para a interpretação visual e polígono digitalização, enquanto outros serviços foram utilizados para as suas características adicionais para apoiar a detecção de parcelas cultivadas (por exemplo, a visão em perspectiva do Microsoft Bing Maps).

Além disso, todos os dados auxiliares disponíveis na área foram integrados com os serviços de mapeamento da web para melhorar a detecção de locais de AU, oferecendo a oportunidade de definir tanto a cobertura da terra e, em alguns casos, o uso da terra. A precisão da avaliação de geodatabase baseia-se tanto em um teste de campo físico e uma “checagem de campo virtual” realizada com a análise do Google Street View. A abordagem digital permite um resultado em custo e tempo necessários para catalogar uma grande área metropolitana.

Horta comunitária localizada próxima a uma área residencial. Parcelas cultivadas são separados por um córrego e os áreas não cultivados (Arundo donax). Crédito da imagem: Giuseppe Pulighe 2014.

 

Uma abordagem semelhante foi realizada com sucesso em Chicago, demonstrando a utilidade do Google Earth para detectar áreas cultivadas em um contexto urbano em comparação com as técnicas de processamento automático ou semi-automáticas para imagens de sensoriamento remoto.

A versão atual do banco de dados contém mais de 4.000 polígonos com uma área total cultivada de 400 hectares, distribuídos por uma superfície total de cerca de 350.000 hectares. Polígonos foram detectados pela interpretação das imagens de alta resolução do Google Earth por dois anos distintos (2007 e 2013), permitindo uma análise mais aprofundada sobre a evolução temporal do fenômeno. Por exemplo, os resultados da análise diacrônica mostram um forte aumento no número de jardins residenciais (+ 13%) e a área cultivada relativa (+2 hectares).

Uma abordagem baseada na integração de serviços de mapeamento da web para a construção de conjuntos de dados de uso da terra de agricultura urbana, é eficaz em termos de custos em comparação com o processamento de imagens comerciais de sensoriamento remoto. O inventário pode permitir que os administradores realizem a análise sobre as interações entre atividades agrícolas e do ambiente urbano, potencialmente resultando na promulgação de políticas informadas para a gestão do espaço urbano verde livre.

Flavio Lupia é parte do INEA – INEA – Istituto Nazionale di Economia Agraria