PortuguêsEnglish繁體中文EspañolFrançaisItalianoفارسیDeutsch

Desastre Urbano: cidades espanholas antes e depois do boom imobiliário

rotonda

Este post também está disponível em: Inglês, Chinês, Espanhol, Alemão

Nación Rotonda é um catálogo online interativo que documenta visualmente desastres urbanos espanhóis das últimas décadas. Cada aba do projeto compara duas fotografias aéreas de uma cidade tomada antes e depois do boom imobiliário.

Sobrevôos fotográficos são realizados em toda a Espanha desde 1957, mas nem toda a fotografia e informação resultantes são prontamente disponíveis. Programas nacionais e locais mantêm suas próprias fotografias aéreas, cobrindo diferentes lugares em diferentes momentos, publicando (ou não) as fotos usando diferentes formatos. O resultado é uma mescla de dados parciais que, juntos, não cobrem todo o território ou até mesmo cada ano. Procurando fotos para o nosso projeto em mais de uma ocasião, terminamos em um beco sem saída, geralmente sob a forma de silêncio administrativo.

O tamanho do nosso projeto também tem sido um desafio. A Espanha abrange mais de 500.000 km ², e apesar de existirem ‘apenas’ 8.000 municípios, muitos deles contêm aldeias, vilas e outros bairros, ou seja, há realmente 152.207 unidades populacionais em todo o país ( INE 2012 ). Nós sistematicamente passamos um pente-fino em algumas áreas como a costa e as copas das grandes cidades, mas para completar o projeto contamos com os recursos existentes em nossa rede, como o coletivo 6000km.org ou as sugestões que nossos leitores enviam através do nosso siteFacebook ou Twitter

A pergunta que nos fizemos quando do lançamento do projeto foi: O que constitui uma “catástrofe urbana “? Urbanização maciça , sem uma única casa construída não parece ser benefício para ninguém – exceto quando há venda do terreno. A estrada que vai à lugar nenhum também é uma falha clara. Mas outros exemplos são menos preto e branco . Mas o que isso importa? Estamos documentando o desastre ou isso é uma competição? É um debate que freqüentemente temos.

Apesar de documentarmos o projeto, encontramos 50 exemplos em províncias espanholas, que mostram que nenhuma área foi salva da bolha imobiliária. No entanto, e como suspeitávamos, o impacto não foi o mesmo em todos os lugares.

O tamanho da fonte indica o número de entradas por província

O crescimento das regiões espanholas nas últimas décadas tem sido moldado por uma variedade de fatores: o tamanho da população antes do boom, a localização dos locais de produção ou a sua adequação como um destino turístico e segunda casa e legislação regional que, essencialmente, incentivou a processo. Esses fatores combinados resultaram em crescimento ocorrendo principalmente na costa do Mediterrâneo e em Madrid e suas províncias adjacentes.

Então, que tipo de tendências que estamos vendo no desastre urbano da Espanha?

Em planejamento urbano e regional, não devem ser utilizado soluções genéricas. No entanto, os padrões da geografia espanhola que já documentados mostram muitas tendências comuns aplicadas independentemente de planejamento, clima, topografia, estrutura social ou tecido urbano pré-existente.

Cullera, Valencia

O primeirotipo predominante de planejamento é de ruas de várias faixas de tráfego em cada sentido, com rotundas e grandes retornos que formam uma cidade dispersa que favorece o uso do carro em detrimento do transporte público.

A segunda tipologia genérica é comunidades de segundas residências unifamiliares, que normalmente tendem a ser os condomínios fechados.

Xaló, Alicante

É bem típico de condomínios fechados os desenvolvimentos comunitários a serem localizados em torno de um campo de golfe. Embora existam exemplos para essa “pré-bolha”, esta é uma tendência relativamente nova. De fato, o número de campos de golfe na Espanha dobrou em apenas dez anos, concentrou-se em regiões com muitas horas de sol por ano, mas com abastecimento de água questionável.

El Caracolero, Murcia

 

Além da aplicação de modelos de planejamento de genéricos, nós também encontramos características comuns em desenvolvimento que acreditamos constituir negligência. As áreas recém-urbanizadas em muitas regiões espanholas encontram muitas vezes os limites das fazendas existentes. No entanto, a abordagem de planejamento da área é tão diferente que há uma significativa ruptura entre os novos desenvolvimentos e a cidade existente está se expandindo em cima. Isso resulta em uma falta de conexão entre o velho e o novo.

Por não seguir modelos urbanos existentes, há uma falta de escala e proporção na expansão de muitas regiões espanholas. Isto pode ser atribuído, pelo menos em parte, a estimativas de crescimento incorretas. O desafio para as cidades na Espanha é como voltar a partir deste desastre urbano.

Miguel Alvarez e Esteban Garcia são sócios na  nacionrotonda.com e Engenheiros Civis especializados em Planejamento Urbano e Regional.

Imagens via NacionRotonda.