PortuguêsEnglish繁體中文EspañolFrançaisItalianoفارسیDeutsch

Entendendo os sons de Istambul

1

Este post também está disponível em: Inglês, Chinês, Espanhol, Francês, Italiano, Alemão

De São Paulo para Mumbai, Xangai para Tóquio: a população do mundo está se movendo em massa para as aglomerações urbanas. É um fenômeno sem precedentes, deixando a sociedade moderna com um monte de perguntas.
Como será o mundo cada vez mais caracterizado por grandes aglomerações? E como vamos gerir as megacidades do futuro? Como podemos manter à frente das filas intermináveis ​​de trânsito, as necessidades de eliminação de resíduos, as demandas de habitação e impacto ambiental destas regiões de dez milhões ou mais de pessoas?

Istambul é uma cidade única na medida em que liga a Europa e Ásia, e que também oferece uma visão sobre megacidades futuras.


Aqueles que estão em Istambul podem ouvi-la imediatamente: a paisagem sonora é única. Istambul é uma cidade única em muitos aspectos, um dos quais é a sua sonoridade. Os gritos dos vendedores ambulantes, os gritos de cafés, mercados e mesquitas e do ruído do tráfego nas estradas e vias fluviais vizinhas.
Ouvindo com os olhos fechados, eu me perguntava se é possível “medir” o som de uma cidade conforme ela muda. Pode o crescimento de uma megalópole ser medido através do som?
Com esta pergunta em mente, eu comecei minha pesquisa em Istambul.

 

O primeiro passo foi registrar as características sonoras de diferentes áreas: bairros, centro, as zonas comerciais e financeiras. Após de registrar, catalogar e mapear, a variedade de sons nesta megalópole Euro-asiáticos revelaram-se.
Tornou-se claro que havia muitos sons recorrentes, como a construção, trânsito, multidões e, curiosamente, protestos ligados à situação de moradia atual na cidade.


Depois de identificar ruídos importantes, eu fui para a fase de “análise de frequência”. Isto é, essencialmente, uma análise do número de oscilações de som em uma unidade de tempo. Isso é importante para entender como a freqüência dos sons tem um papel na formação da percepção humana de sons, em substância, se vamos achá-los agradáveis ou desagradáveis.

Poucas pessoas diriam que o gotejamento rítmico de água de uma torneira é um som agradável, ou o som de uma tempestade em um passeio, e ainda estamos falando do mesmo elemento: a água. O que é diferente nesta análise, no entanto, é a frequência do som que produz. A torneira é muito suave, quase como um som mecânico, e a tempestade muito irregular, como um rugido.

Se fôssemos levar um som mais instável do mesmo elemento, como as ondas na costa de uma praia, teríamos uma percepção muito diferente, e que é mais provável que seja positivo.

J. Rousseau teorizou que se a freqüência de um som é semelhante à frequência da voz humana, é mais agradável ao ouvido. Por outro lado, se é muito regular ou demasiado irregular, é mais provável que seja considerado ‘perturbador’.

A partir desta teoria, analisei as frequências de mais de duas centenas de sons de Istambul, atribuindo essas frequências para um intervalo de valores construídos sobre as teorias de J. Roisseau. O resultado final foi um mapa de sons demonstrando áreas com frequências que são menos agradáveis ​​ao ouvido humano, e as áreas onde os sons da cidade são mais propensos a provocar reações positivas.

Olhando para o mapa, era óbvio que as freqüências menos agradaáveis eram mais propensas a serem encontradas em zonas com crescimento e expansão, sugerindo que há uma estreita relação entre as frequências desagradáveis ​​de uma cidade e as questões relacionadas com a expansão urbana.


Este experimento de mapeamento de som foi intrigante e estimulante, proporcionando-me a oportunidade de entender e refletir sobre o crescimento desta megacidade.

Enquanto nós continuamos a olhar para as questões geradas pelo crescimento de nossas cidades e a provável criação de mais megacidades, ferramentas como o mapeamento de som podem aumentar a conscientização sobre como os espaços estão mudando, potencialmente dando-nos uma maneira de gerenciar melhor urbanização. Este é um passo importante para a reflexão séria sobre a megalópole de amanhã.

Você pode ouvir mapa sonoro de Istambul aqui.

Daniele Volante estudou em Roma e atualmente trabalha em um estúdio de arquitetura em Istambul.

Imagens via Eleonora Taramanni