PortuguêsEnglish繁體中文EspañolFrançaisItalianoفارسیDeutsch

O DNA das cidades

sanaa old city

Este post também está disponível em: Inglês, Espanhol, Alemão

O ambiente construído é um produto de forças sócio-econômicas, culturais e políticas. Cada sistema urbano tem seu próprio “código genético”, expressado em formas arquitetônicas e espaciais que refletem valores e da identidade de uma comunidade. Cada comunidade escolhe certas características físicas, produzindo o carácter único da sua cidade. Esse “olho comunal” exemplifica o legado arquitetônico da cidade e dá uma sensação de lugar.

Por exemplo, no antigo Sanaa, capital do Iêmen, edifícios únicos, decorados com padrões geométricos criam um personagem visual diferenciado exclusivo para a cidade (foto acima). Outro exemplo é a aldeia núbia do Egito (abaixo) onde os materiais e cores de construção são únicos e refletem a arquitetura vernácula da região.

No entanto, as práticas arquitetônicas atuais, em quase todas as cidades do mundo, não respeitam as identidades passadas e tradições das nossas cidades. A maioria dos projetos têm pouca ou nenhuma relação com nenhum contexto urbano envolvente nem código genético da cidade. Arquitetos só seguem os movimentos arquitetônicos internacionais, tais como “A arquitetura moderna”, “pós-modernismo”, “alta tecnologia”, e “desconstrucionismo”. O resultado é um diálogo fragmentado e descontínuo entre edifícios, destruindo a memória comum de uma cidade.

Arte de rua e grafites foram preencher essa lacuna, explicando o conflito entre a cultura tradicional e questões sócio-políticas contemporâneas de cidades. Artistas de rua estão redirecionando os muros da cidade para realçar o patrimônio, história e identidade e, em alguns casos, para humanizar essa luta. Cada cidade tem uma arte única que se tornou parte do seu código genético global. Algumas artes em Santiago (foto abaixo), por exemplo, destacam a identidade chilena. Outro exemplo é a forma como a arte da parede foi usado durante a revolução egípcia para relembrar os eventos. Em março de 2012 jovens grafiteiros lançaram o movimento “sem paredes” quando as autoridades egípcias construíram uma série de muros de concreto para bloquear cruzamentos importantes de rua, a fim de controlar as manifestações pacíficas.

Bill Hillier, professor da morfologia urbana, oferece uma interpretação diferente. Ele sugere que a rede de ruas de qualquer cidade é composta por uma rede dupla: a rede de primeiro plano, que consiste das principais ruas no sistema urbano, e da rede do plano de fundo, formada por becos e ruas menores. A rede de primeiro plano, ou a principal rede de ruas, geralmente tem uma forma universal, uma estrutura “roda deformada” composta por um pequeno padrão de semi-grades (um hub), ligado com pelo menos um anel viário (RIM) pelas ruas diagonais (raios). Mas a forma do plano de fundo difere de uma cidade para outra; Por conseguinte, esta rede é o que dá à cidade sua identidade espacial.

Muitas cidades, como Londres, Tóquio e Cairo tem um padrão semelhante de “roda deformada” em primeiro plano, apesar de terem diferentes redes no plano de fundo, possivelmente como resultado das diferenças culturais ou contribuindo para a criação dessas diferenças culturais. Em suma, a rede de ruas do segundo plano reflete a estrutura única de cada cidade, e pode ser considerada o seu código genético.

No entanto a rede do fundo por si só não é suficiente para representar o código genético do ambiente construído. Arquitetos e urbanistas devem olhar para cima do solo, respeitando as dimensões arquitetônicas, espaciais e culturais locais. Cidadãos e arquitetos devem trabalhar juntos para restaurar um sentido de identidade local em uma linguagem contemporânea. Programas de participação da comunidade, bem como o desenvolvimento de diretrizes de design que são sensíveis a cada cidade são a única maneira de manter o DNA de uma cidade. Uma cidade saudável e que funcione bem é semelhante ao corpo humano: é importante manter o seu código genético.

Abdelbaseer A. Mohamed é um estudioso de curto prazo na American University, em Washington DC e um estudante de PhD na Universidade Ain Shams, no Cairo, Egito.

Imagens via Rod Waddington, Chris Brown e Antunno Ruggero.