PortuguêsEnglish繁體中文EspañolFrançaisItalianoفارسیDeutsch

Tecnologia cidadã e Engajamento mobile 2.0

sign up process

Este post também está disponível em: Inglês, Chinês, Francês

Quanto mais você lê sobre a mistura de planejamento e tecnologia, mais você começa a ouvir um monte de palavras repetidas: cidadãos digitais, engajamento cívico, governo 2.0, hacktivistas, e assim por diante. Para a maior parte, isso acontece porque todos nós estamos lendo os mesmos blogs e seguindo as mesmas poucas empresas pioneiras. Essa ideia de engajamento digital é relativamente novo, assim como seus impactos, seus pontos fortes e suas fraquezas. E enquanto houve uma primeira onda de inovação, uma onda de empresas 1.0 assumindo a liderança em todo o espectro de tecnologias disponíveis, uns poucos nomes conhecidos se destacaram.

Infelizmente para alguns (mas felizmente para outros), a nossa familiaridade com o campo não vai durar. Recentemente, as ofertas e participação de mercado da tecnologia móvel têm visto um crescimento incrível. Em julho de 2008, a App Store da Apple abrigava menos de 1.000 apps. E agora, apenas 5 anos depois? Algumas das mais recentes estimativas apontam bem mais 760 mil aplicativos disponíveis para download. Uma previsão de mercado pela Cisco Systems, empresa multinacional de tecnologia, prevê que até 2017 o tráfego mensal de dados móveis vai chegar a 13x do que temos hoje. O mundo é maior do que a web. O mobile importa cada vez mais.

Situado num espaço incubador da Universidade Estadual da Flórida (FSU), “The Town” é um exemplo de uma startup de tecnologia cívica 2.0 que tem como objetivo capitalizar sobre o crescimento no uso móvel e entregar plataformas móveis para os governos, empresas locais e cidadãos para misturar e conviver em movimento. Para Dominick Ard’is, um graduado recente da FSU e fundador da The Town, dobrando-se ainteração em tempo real móvel faz sentido. “Os cidadãos têm geralmente o seu melhor pensamento cívico, quando eles estão se movendo por toda a cidade”, diz ele. “As pessoas estão mudando e há novas expectativas.”

Dada essa rápida mudança, os planejadores urbanos devem se concentrar menos no estado atual das coisas, porque no mundo da tecnologia dominar o presente significa que você já está para trás. Devemos desenvolver uma estrutura para considerar as necessidades da comunidade que não mudam dentro do contexto da tecnologia. Devemos nos mover em direção a uma estrutura de tomada de decisão que é útil para as cidades, considerando a viabilidade de investir recursos em futuros produtos e serviços de tecnologias cívicas.


As primeiras tentativas de engajamento móvel tem sido bem intencionadas e com visão de futuro, mas Ard’is vê espaço para uma segunda onda de inovação. “Grandes avanços foram feitos”, diz ele, “mas ainda temos trabalho a fazer. O que está faltando é uma compreensão aguda do que os usuários querem e como engajá-los. Não é apenas um bom conteúdo, mas uma experiência.” Qualquer quadro valioso para avaliar as tecnologias de engajamento móveis devem encontrar formas de operacionalizar a amplitude de uma experiência de usuário realmente eficaz. Aqui está um primeiro esboço pensado para fazendo exatamente isso.

Fluidez

Pode o aplicativo mudam continuamente, ou é um produto de uma só vez com conteúdo estático? Um sistema de gerenciamento de conteúdo back-end precisa estar disponível, precisa ser ocupado ou em casa ou por contrato, e o mais importante precisa ser atualizado. Cidades perdem seu público cativo, se seus aplicativos estão enfraquecidos porque os usuários móveis querem um ambiente que seja dinâmico e fresco. Considere o newsfeed do Facebook, que é constantemente re-contratado pelo usuários, pois está continuamente mostrando algo novo.

Responsividade

A conversa não pode ser só de ida. Os usuários móveis precisam de uma resposta, eles esperam retorno nas conversas no mundo virtual e real, que reconheça a sua contribuição. Cidades precisam sempre questionar o que impulsiona os processos de engajamento de sua plataforma de divulgação móvel. Há recompensas, métodos de gamificação e incentivos tanto tangíveis e intangíveis para sustentar a interação com o usuário? Receptividade é sobre as ofertas de propósito e o núcleo do próprio aplicativo também. Em resposta ao feedback dos cidadãos e os padrões de interação (plataformas 2.0 deve sempre estar monitorando essas métricas), o aplicativo pode evoluir? O sistema deve ser construído e mantido de tal maneira que os novos módulos e utilizações podem ser programados de acordo expectativas do usuário e suas mdanças.

Compreensividade

Grande parte da versão 1.0 do aplicativo serve apenas uma única função, projeto ou propósito. As cidades interessadas em ficar à frente precisam considerar a pergunta: quantos aplicativos monotarefas um usuário deverá baixar? Por que não podemos ter um único ambiente sem descontinuidades, em que uma gama completa de funções está disponível, uma série de funções que representa a experiência holística de viver em uma cidade. O mobile oferece a possibilidade de ter engajamento contínuo e não apenas uma extensão periódica ao projeto. Então, podemos construir uma conexão no dia-a-dia que inspira uma cultura de participação cívica ativa e ampla.

Design

O mais amorfo de conceitos deste quadro, o design também pode ser o mais importante. Tecnologias móveis 2.0 terão de entregar uma interface única, intuitiva e atraente, se eles quiserem diferenciar-se e capturar a imaginação e reflexões cívicas dos usuários móveis. Porque um aplicativo de engajamento móvel se torna uma extensão de marca da cidade que ele serve, o design reflete diretamente aquela cidade e seu apreço pelo criativo. Aplicativos cívicos competem por atenção no ambiente móvel, e não apenas contra outros aplicativos cívicos. Se você considerar que as aplicações cívicas competem contra uma variedade de apps que consemem seu tempo de maneira viciante, e plataformas altamente visuais (estou olhando para você Angry Birds), então a importância do design vem à tona rapidamente.

Para empresas como a The Town e para o campo do planejamento em grande mudança é agora o status quo. A oportunidade está na nossa capacidade de antecipar e adaptar-nos. Quando se trata do impacto do engajamento móvel 1.0, Mr. Ard’is acredita que “é fácil dizer que para o governo [ que foi] bem, mas essa afirmação está enraizada nas baixas expectativas que temos para os nossos líderes cívicos.” Armado com uma estrutura para considerar o que é que os cidadãos e usuários finais realmente precisam de uma experiência móvel, é hora de esperar um pouco mais de tecnologia e engajamento cívico Mobile 2.0.

Lucas Lindsey é co-editor do This Big City no Tumblr.