PortuguêsEnglish繁體中文EspañolFrançaisItalianoفارسیDeutsch

Urbanismo pop: usando a música no desenvolvimento da imagem de uma cidade criativa

421714_295705037157330_963556293_n

Este post também está disponível em: Inglês, Chinês, Espanhol, Francês

A imagem de cidade criativa ou marca de uma cidade global é moldada através de suas identidades multi-camadas e contextos. Estes são canalizados através de uma estratégia municipal específica em resposta a fatores de atração, como a distinção cultural, do patrimônio e do ambiente construído, para citar alguns. A estratégia de marca da cidade é controlada por ambos, os atores públicos e privados na busca de crescimento econômico e de habitabilidade. Na prática estes objetivos têm se provado conflitantes, considerando a precariedade da cultura e da criatividade no contexto de rentabilidade.

Determinar os interessados e influências indiretas sobre branding da cidade é mais fácil em cidades de médio porte do que as cidades globais, simplesmente porque poucos desenvolvimentos ocorrem simultaneamente e envolvem menos grupos de interesse, principalmente locais. Isto tem um efeito sobre o nosso entendimento conceitual de uma cidade, uma vez que significa uma identidade linear mais constante em comparação com a imagem multi-camada das cidades globais que também sofrem da dicotomia de imagem interna x externa. Em troca, ela também simplifica a nossa compreensão, e destaca tendências qualitativas sobre como imagem de uma cidade é moldada, em particular, como a imagem da cidade é defendida por seus cidadãos e personalidades influentes, como músicos, escritores ou empresários.

Para demonstrar isso, observemos como Mannheim tornou-se um influente centro de negócios de música na Alemanha, que tem atraído simultaneamente pequenas start ups de design e tecnologia. Ela partiu do governo municipal que a música fosse usada como uma ferramenta de “regeneração de imagem ‘para um centro industrial em declínio, foi o envolvimento de uma pequena rede de músicos locais e produtores que abreiram o potencial de investimento.

No início dos anos 90, um grupo de músicos com base em Mannheim agrupados em torno vocalista Xavier Naidoo – hoje um dos principais nomes da música pop na Alemanha – formado o grupo musical Söhne Mannheims (Filhos de Mannheim). Neste momento eles começaram a defender Mannheim em canções e rádios, apontadando para a cidade como um lugar com histórias de sucesso, talento e autenticidade. Canções como ” Meine Stadt “(Minha cidade) expressam fortemente uma consciência coletiva para a cidade honrando-a como lar para sua formação artística e inspiração. Isso, em parte, contribuiu para uma mudança da imagem da cidade e de um sentimento de orgulho entre a comunidade local.

Devido à popularidade da banda, juntamente com outros colaboradores musicais influentes que vivem na região, festivais foram iniciados e estruturas de apoio informal criadas, em particular, um cluster de produção musical. Seguindo essas tendências, o governo municipal e os investidores privados mostraram um aumento de interesse em fornecer estruturas de apoio para a as pequenas start-ups de música e infra-estrutura de educação. O conselho municipal Baden-Wuerttemberg organizou a Popakademie Baden-Wuerttemberg (Universidade de música popular e da música) como um empreendimento público-privado, em 2003, em colaboração com músicos locais, alguns dos quais atuaram como financiadores.
Esta é a primeira instituição do gênero na Alemanha, fornecendo apoio contínuo para profissionais de música como parte de uma estratégia de engajamento de talentos (image-film). Musikpark Mannheim foi criado como um centro empreendedor nas proximidades, acomodando hoje cerca de 40 empresas da indústria musical.

Esses fatos contribuíram de perto para uma mudança da imagem de Mannheim de uma antiga cidade industrial de apoio para uma ‘cidade criativa’. O que é único neste estudo de caso é o envolvimento de personalidades locais na busca de eficiência, tanto cultural quanto econômica. Isso sugere um crescimento com base na demanda dirigido por profissionais criativos e suas habilidades específicas nesse campo, mantendo um equilíbrio entre consumo e produção cultural (como isso pode ter sido afetado pelas mudanças radicais na indústria da música nos últimos 10 anos é um assunto complexo que necessita de pesquisa empírica fora deste artigo.)

O cerne do meu argumento no entanto, se concentrano desenvolvimento de uma cidade criativa sustentável através de um alinhamento da imagem da cidade com tendências urbanas reais, e sabedoria de marketing real. A estratégia municipal em Mannheim tem focado em fornecer estruturas de apoio financeiro / organizacional para o desenvolvimento de um cluster criativo indústria, ao invés de criar uma imagem de cidade criativa e competitiva. Mannheim permaneceu dedicada à sua imagem e sucesso no apoio à pequena empresa e não na sua “marca” multicultural. Este, porém, pode mover-se em direção a uma estratégia de marketing mais centrada em cultura em breve, como refletido na aplicação de Mannheim para o o título de capital cultural europeia em 2020.

Silvie Jacobi é artista e estrategista cultural, estudando geografia urbana e indústrias criativas no King’s College London.